Blog do Pediatra

16/01/2013

Vacinação de pai para filho

 

Muito se fala da importância da vacinação infantil e não à toa. Ela é sim uma poderosa arma para prevenir doenças que atingem nossas crianças. Mas, o que é tão importante quanto este fator e que pouco vejo falar, é que, nós, adultos, também precisamos receber imunização.

Algumas das doenças infantis atingem mais frequentemente as crianças que os adultos, por consequência da imunidade natural que pessoas adultas desenvolvem durante a vida. No entanto, um pai, mãe ou outro adulto que convive com a criança não estiver vacinado pode adquirir uma catapora de seu filho, se por alguma razão sofreu uma diminuição de sua imunidade adquirida. Por outro lado, este adulto que não atualizou sua vacina contra coqueluche, por exemplo, pode, mesmo sem apresentar a doença, albergar o germe em sua garganta, podendo transmitir a doença para a criança.

Sendo assim, adultos que convivem com crianças (não podemos deixar de incluir, além dos pais, os avós, professores e demais pessoas que fazem parte da vida de uma criança), têm um motivo a mais para se vacinarem, pois através da vacinação própria estarão também diminuindo o risco destas doenças virem a atingir os baixinhos.

Algumas doenças infecciosas ocorrem sazonalmente, com maiores índices na primavera e no inverno. No entanto, por serem muitas delas evitáveis através do mecanismo da imunização passiva, todo cidadão deveria ter sua carteira de vacinação atualizada desde o nascimento até o fim de sua vida, eliminando o risco de adquirir doenças evitáveis, colaborando para uma menor disseminação de tais doenças em seu meio social.

Além das vacinas que recebeu durante a infância, uma pessoa adulta deve ser vacinada rotineiramente contra diversas doenças, entre elas a da difteria (doença respiratória infectocontagiosa, causada por uma bactéria que se instala nas amídalas, faringe, laringe e nariz), da coqueluche e do tétano, a cada 10 anos, com o objetivo de manter sua memória imunológica. Complementando as citadas, atualmente, existe uma série de vacinas que os adultos também necessitam para uma maior proteção. Entre elas estão a meningite C, as hepatites A e B, o HPV, doença sexualmente transmissível, que predispõe ao risco de câncer de pênis e de colo de útero, e a vacina contra da influenza (gripe epidêmica).

Outro exemplo é a varicela (catapora), que é altamente contagiosa para crianças, adolescentes e adultos. As vacinas são disponibilizadas nas UBS apenas para casos suspeitos, levando os demais grupos não indicados a recorrer às clínicas particulares.

Existe hoje um calendário oficial de vacinação para prematuros, crianças, adolescentes, homens e mulheres adultos, idosos, além de um calendário de vacinação ocupacional, atualizados periodicamente pela SBIm – Associação Brasileira de Imunizações -, que tomo a liberdade de inserir neste artigo.

Para saber se sua carteirinha e a da sua família estão atualizadas, confira:

Crianças:
http://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Crianca_2012.pdf

Adolescentes:
http://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Adolescente_2012.pdf

Homens:
http://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Homem_2012.pdf

Mulheres:
http://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Mulher_2012.pdf

Idosos:
http://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Idoso_2012.pdf

Ocupacional:
http://www.sbim.org.br/wp-content/uploads/2012/07/Ocupacional_2012.pdf

Por fim, deixo aqui meu alerta com base no crescente surto de coqueluche que o país vem apresentando nesta época do ano, justamente devido à falta de reforços e campanhas de conscientização e vacinação em adultos.

Lembre-se que o melhor combate às doenças começa pela prevenção. Todo adulto deve procurar seu médico ou uma clínica de imunizações, levando sua carteira de vacinação com as vacinas aplicadas desde a infância, podendo desta forma se proteger contra uma série de doenças, além colaborar na atividade de se evitar que as mesmas sejam vilãs para a saúde de nossas crianças.

Por Dr. Sylvio Renan às 16h44

Sobre o autor

Sylvio Renan de Barros

é médico, tendo
iniciado o curso

na Faculdade de Medicina de Botucatu e se formado em 1974 pela Faculdade de Medicina do ABC. Especializou-se em pediatria na Unifesp/EPM, obtendo em seguida o título pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Fez especialização prática pela General Pediatric Service da University of California - Los Angeles (Ucla) e participa de diversos simpósios do setor. Atuou por quase 30 anos em Pronto Socorro Infantil. Atualmente se dedica a seu consultório e à literatura médica para leigos. Seu primeiro livro lançado chama-se "Seu bebê em perguntas e respostas - Do nascimento aos 12 meses".

Sobre o blog

O objetivo deste blog é fornecer informações básicas relacionadas à área da pediatria. São abordados, de forma didática, temas que permeiam o universo da saúde da criança, como primeiros cuidados, doenças mais comuns, vacinação e alimentação.

Livros indicados

"Seu Bebê - Em perguntas e respostas"
Obra que reúne informações imprescindíveis para mães e pais de primeira viagem. Mas não se trata de um compêndio técnico sobre o "bebê-padrão", e sim de um livro que aborda casos específicos atendidos pelo autor ao longo de três décadas de pediatria.


"Nefrologia para Pediatras"
Livro que tem suas origens no Setor de Nefrologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, que se ampliou com a subseqüente formação de equipe de colaboradores nacionais, procedentes dos mais expressivos serviços de Pediatria do país, de notória e relevante contribuição para a Nefrologia Pediátrica.