Blog do Pediatra

17/06/2013

Desmame ao seio: quando é o momento certo?

 

Leite materno é essencial para a saúde do bebê. Sei que já afirmei em diversos momentos aqui e com frequência escrevo a respeito, a fim de reforçar sua importância. No entanto, um assunto que não abordei ainda e que gera dúvidas em muitas mamães é o momento do desmame. Qual a hora certa de fazê-lo? Como realizá-lo? Quais reações esperar do baixinho?

Por isto, este artigo visa tirar algumas dúvidas iniciais e auxiliar as mães durante este processo do desmame.

Antes de tudo, não posso esquecer-me de frisar que a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece que os bebês devam ser amamentados, única e exclusivamente ao seio, pelo menos até complementarem seis meses de idade. Após esta fase, outros alimentos podem ser oferecidos, progressivamente, ao pequeno, mantendo-se, porém, o leite materno como único alimento lácteo até a criança completar dois anos de idade.

 Existem várias razões para o desmame antes de o bebê completar dois anos de idade, como doença materna, produção materna inadequada de leite, internações prolongadas da criança, volta da mãe ao trabalho, entre outras.
Mas, afinal, como deve ser feito este processo? O desmame deve ser progressivo, retirando mamadas ao seio e trocando-as por leite artificial. Se a mãe tem condições de amamentar de manhã e à noite, pode fazê-lo, deixando a oferta do leite artificial para quando ela estiver ausente.

Apesar do leite de vaca ser usado tradicionalmente como o substituto ideal, atualmente utilizam-se fórmulas derivadas do mesmo, com retirada de nutrientes menos adequados ao bebê, e introdução de substitutos de maior digestibilidade (absorção de nutrientes) e menos alergênicos, todos derivados do leite do animal. Em casos especiais, como a alergia à proteína do leite de vaca, pode ser utilizada uma fórmula de derivados vegetais, como a soja, ou o próprio leite de vaca após hidrolização (quebra de uma molécula em partes menores e menos alergênicas.) de seus aminoácidos, diminuindo assim sua capacidade deletéria.

Após essa fase, outros nutrientes, como frutas, legumes e verduras, devem ser progressivamente introduzidos. No entanto, as mamães não podem esquecer de que, antes mesmo (e independente) do desmame, outros alimentos não lácteos devem ser oferecidos ao pequeno, a partir de seis meses de idade, iniciando com um suquinho de frutas, seguido de papas de frutas, papas de cereais, e assim por diante, para que o bebê chegue aos 12 meses de vida com uma dieta semelhante à do adulto.

É importante que as mamães não se assustem quanto às birras, choros e rejeições. Qualquer mudança na rotina leva a alterações de comportamento do bebê, sendo essas citadas as mais frequentes durante esta fase de adaptação. Mas não são apenas os pequenos que sofrem. As mães também podem se sentir culpadas pela mudança e acharem que estarão contribuindo para um corte de vínculo entre ela e seu filho, o que, não é verdade.      

Por último, considero importante salientar que as novas normatizações governamentais para estender a licença amamentação até o bebê completar seis meses deveriam ser transformadas em lei e inseridas na CLT, o que irá diminuir consideravelmente o desmame precoce em nosso país.

Por Dr. Sylvio Renan às 14h08

Sobre o autor

Sylvio Renan de Barros

é médico, tendo
iniciado o curso

na Faculdade de Medicina de Botucatu e se formado em 1974 pela Faculdade de Medicina do ABC. Especializou-se em pediatria na Unifesp/EPM, obtendo em seguida o título pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Fez especialização prática pela General Pediatric Service da University of California - Los Angeles (Ucla) e participa de diversos simpósios do setor. Atuou por quase 30 anos em Pronto Socorro Infantil. Atualmente se dedica a seu consultório e à literatura médica para leigos. Seu primeiro livro lançado chama-se "Seu bebê em perguntas e respostas - Do nascimento aos 12 meses".

Sobre o blog

O objetivo deste blog é fornecer informações básicas relacionadas à área da pediatria. São abordados, de forma didática, temas que permeiam o universo da saúde da criança, como primeiros cuidados, doenças mais comuns, vacinação e alimentação.

Livros indicados

"Seu Bebê - Em perguntas e respostas"
Obra que reúne informações imprescindíveis para mães e pais de primeira viagem. Mas não se trata de um compêndio técnico sobre o "bebê-padrão", e sim de um livro que aborda casos específicos atendidos pelo autor ao longo de três décadas de pediatria.


"Nefrologia para Pediatras"
Livro que tem suas origens no Setor de Nefrologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, que se ampliou com a subseqüente formação de equipe de colaboradores nacionais, procedentes dos mais expressivos serviços de Pediatria do país, de notória e relevante contribuição para a Nefrologia Pediátrica.