Blog do Pediatra

10/02/2014

CARNAVAL: Como garantir que a folia da criançada seja segura?

 

O Carnaval já começou! Alguns blocos de rua já estão pulando sem parar. E assim será até a chegada da terça-feira de Carnaval – se não mais, como em Salvador, onde a festa é prolongada. E é também um momento importante para transmitirmos mais cultura para nossos filhos, que são naturalmente estimulados a participar dessa grande festa do brincar, do socializar-se e descontrair-se.

No entanto, como pediatra, aconselho aos pais tomarem cuidados especiais durante a folia, evitando aborrecimentos durante e depois do Carnaval. Por isso, separei algumas dicas que ajudarão pais e filhos a aproveitarem a festa sem sustos.

- Bebês devem frequentar bailes/festas de Carnaval? Crianças muito pequenas não possuem o sistema imunológico totalmente desenvolvido, facilitando a contaminação por vírus e bactérias potencialmente presentes em locais de aglomerações. Além disso, a festa pode contribuir para que o pequeno se excite excessivamente, com consequências como insônia, pesadelos, falso terror noturno, entre outros.

- Segurança: leve seu filho ao local do baile/festa ou no bloco ou no Sambódromo com uma pulseira de identificação, onde conste o seu nome completo ou do responsável que esteja presente no local, além de telefone celular do adulto. Este procedimento simples dará mais liberdade para o seu baixinho e mais tranquilidade para você. Além disso, as brincadeiras durante o período do carnaval são uma atividade física saudável como todas as outras, mas, quando ocorrem abusos, podem provocar agravos de leve a graves, devendo então ser sempre monitorizadas pelos pais ou acompanhantes da criança, respeitando o limite de cada uma.

- Hidratação: Lembre-se que o Carnaval ocorre em pleno verão brasileiro, com dias quentes e úmidos, que aumentam a sudorese e o risco de desidratação. Não se esqueça de que qualquer atividade física deve ser moderada nesta situação, pelo risco de desidratação, quedas de pressão arterial, entre outros problemas. Assim, é preciso que a criança, ao cair na folia, seja orientada para ingerir bastante líquido, de preferência água, e com frequência. Quando em local aberto (praias, ruas, sambódromos, etc.), deve-se passar protetor solar e, mesmo com seu uso, evite a permanência por tempo prolongado sob o sol, principalmente no período entre às 10 e 16 horas.

- Roupas: Escolha roupas ou fantasias leves, de cores claras, folgadas no corpo e que permitam a circulação do ar e camisetas de tecidos que drenam o suor para o lado externo da roupa, permitindo uma melhor eliminação do suor e facilitando o refrescamento do corpo.

- Sem exageros: evite também que as fantasias sejam acompanhadas de brinquedos, como armas (revólveres, espadas, etc.), que além de servirem como apologias à violência, podem provocar acidentes. Cuidados também com máscaras que, quando deslocadas, podem dificultar a respiração da criança. Pinturas devem ser feitas com tintas naturais, neutras, e de fácil eliminação, evitando-se as regiões próximas aos olhos e à boca.

- Barulho: atenção ao nível do barulho e do som a que vai expor a criança. Quando exagerados podem contribuir para problemas de audição.

- Bebidas: crianças maiores (pré-adolescentes e adolescentes) devem ser muito bem orientadas a NÃO ingerir bebidas alcoólicas, não aceitar nada oferecido por estranhos e procurar por você ou por uma autoridade policial diante qualquer suspeita de assédio.

- Limite de faixa etária: bailes e festas de salão costumam ser realizadas para faixas etárias definidas. Respeite estas divisões, não permitindo que seu filho vá a festas de outra faixa etária, seja ela para crianças mais velhas ou mais novas.

Seguindo essas dicas bem simples, você pai/mãe garantirá a folia dos baixinhos e a sua tranquilidade.

Por Dr. Sylvio Renan às 18h15

Sobre o autor

Sylvio Renan de Barros

é médico, tendo
iniciado o curso

na Faculdade de Medicina de Botucatu e se formado em 1974 pela Faculdade de Medicina do ABC. Especializou-se em pediatria na Unifesp/EPM, obtendo em seguida o título pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Fez especialização prática pela General Pediatric Service da University of California - Los Angeles (Ucla) e participa de diversos simpósios do setor. Atuou por quase 30 anos em Pronto Socorro Infantil. Atualmente se dedica a seu consultório e à literatura médica para leigos. Seu primeiro livro lançado chama-se "Seu bebê em perguntas e respostas - Do nascimento aos 12 meses".

Sobre o blog

O objetivo deste blog é fornecer informações básicas relacionadas à área da pediatria. São abordados, de forma didática, temas que permeiam o universo da saúde da criança, como primeiros cuidados, doenças mais comuns, vacinação e alimentação.

Livros indicados

"Seu Bebê - Em perguntas e respostas"
Obra que reúne informações imprescindíveis para mães e pais de primeira viagem. Mas não se trata de um compêndio técnico sobre o "bebê-padrão", e sim de um livro que aborda casos específicos atendidos pelo autor ao longo de três décadas de pediatria.


"Nefrologia para Pediatras"
Livro que tem suas origens no Setor de Nefrologia Pediátrica do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, que se ampliou com a subseqüente formação de equipe de colaboradores nacionais, procedentes dos mais expressivos serviços de Pediatria do país, de notória e relevante contribuição para a Nefrologia Pediátrica.